Usina Itapetingui

 

 

 

 

(25/07/2002 – Pesquisa)

Arquivo Público

Caixa 2327

Maço 05

Doc. 33 (antigo) 36 (atual)

 

Contrato celebrado entre o Governo do Estado da Bahia representado pelo Exmo. Sr. Dr. Rodrigo Antônio Falcão Brandao, Secretario do Thesouro e fazenda, e o Dr. Joao Alves Carvalho, para a construção de uma Usina para a fabricação de açúcar tudo na forma abaixo:

CLAUSULA 1°- o segundo contratante Dr. João Alves Carvalho obriga-o por si ou sociedade que organizam a construir uma usina aperfeiçoada para a fabricação de açúcar com capacidade para moer nunca menos de duzentos e cinquenta (250) toneladas de cana, em vinte e quatro (24) horas, a margem do rio Itapetinguir, afluente do rio trarite, em terreno do engenho Itapetingui adquiridos para este fim pelo contratante.

CLAUSULA 2°- O segundo contratante obriga-se a começar a construção da Usina dentro de seis (6) meses da data da assinatura d presente contrato e a termina-la dentro de dezoito (18) a vinte e quatro (24) meses a contar da mesma data.

CLAUSULA 3°- Na falta da execução da clausula segunda, salvo de forma maior, a Juízo do governo, incorrerá o segundo contratante na multa de cinco contos (5:000$000).

CLAUSULA 4°- O segundo contratante obriga-se a depositar anualmente e adiantadamente, no Thesouro do Estado, logo que tenha começo a construção da Usina dois contos de reis (2:000$000) para honorários do fiscal do primeiro contratante, contribuição que deverá subsistir até que se extinga o debito do segundo contratante para com o primeiro contratante.

CLAUSULA 5°- O primeiro contratante obriga-se a entregar ao segundo contratante a quantia de mil e duzentos contos (1,200:000$000) a juros anual de 5% resgatáveis no período de vinte e cinco (25) anos, a data de primeiro de janeiro de 1903 sendo estes entregues em três prestações : a

 

primeira quando o segundo contratante provar ter feito a incomenda ou a aquisição de aparelhos; a segunda quantia provar que as maquinas estão no ponto para serem desembarcadas, ou no caso de adquiridas neste Estado, que estejam em condições de preencherem o fim a que são destinadas, a terceira quando a Usina e seus acessórios, estiverem definitivamente. Se porém, na época de receber o segundo contratante, estiver um cambio a doze dinheiros, serão estas diminuídas na razão de dez por cento (10%) se a quinze dinheiros na de vinte por cento (20%).

CLAUSULA 6°- O segundo contratante obriga-se a pagar ao primeiro contratante a importância recebida na forma da clausula anterior, por meio de amortizações anuais, em partes iguais, durante o espaço de vinte e cinco (25) anos. Estas amortizações, porém, só começaram a ter lugar dois anos depois da instalação da referida Usina.

CLAUSULA 7°- O segundo contratante semestralmente os juros das apólices, que lhe forem entregues para a construção da Usina, devendo estes juros, bem como as cotas da amortização serem entregues ao Thesouro do Estado, de quinze a quinze de julho de cada ano.

CLAUSULA 8°- Os juros começaram a ser contados em primeiro de janeiro de 1899, mas só príncipe Arão a ser pagas no fim da primeira safra, apurada pela Usina, devendo os juros correspondentes aos dos primeiros anos serem pagosem partes iguais, nos vinte e três (23) anos subsequentes.

CLAUSULA 9°- O segundo contratante poderá fazer o pagamento do juros e amortizações em moeda legal ou em apólices emitidas para a construção das Usinas, as quais serão nestes casos como os de amortização antecipadas recebida ou (?) pelo primeiro contratante.

 

Bahia 01 de março de 1899

 

Viraldo Ribeiro

Viraldo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *